Sergio Leo Rotating Header Image

E o PMDB botou o mínimo para render…na CEF

Oliveira, o canalha da redação, quando viu o PMDB em peso votar pelo salário mínimo de R$ 545, disse: “Ihhh, esse mínimo vai sair caro para a Dilma”.

Ela acabou aceitando a recomendação desinteressada do partido e depositou a conta na Caixa Econômica Federal. Quem sabe, cobre o prejuízo com a despesa feita com o banco Panamericano, de importante dono de estação de TV.

Hoje, o patife do Oliveira ligou cedo para me sugerir a leitura de uma interessante peça jornalística, da Vera ERosa e do João Domingos, no Estadão:

BRASÍLIA – A queda da presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Maria Fernanda Ramos Coelho, tem forte ingrediente político e vai além do episódio do banco Panamericano. Maria Fernanda entrou em rota de colisão com o ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, por causa do aliado PMDB. Apesar de protegida pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, não resistiu à pressão.

Palocci sempre defendeu o cumprimento do acordo que contemplava o PMDB na Caixa, mas Maria Fernanda não aceitava a ideia de ter o ex-ministro da Integração Nacional Geddel Vieira Lima na vice-presidência do banco. Na luta contra Geddel, contou com o apoio do governador da Bahia, Jaques Wagner (PT) – desafeto do peemedebista -, mas acabou perdendo a queda de braço.

Oliveira torce pelo sucesso do novo diretor de pessoas jurídicas, uma velha raposa política (“e põe raposa nisso”, diz, admirado, o canalha) que já mostrou, nas finanças pessoais, ser um excelente administrador. Ele só espera que não comecem os invejosos a inventar mentiras contra o novo diretor, como as que o levaram ainda novinho a ser demitido de um banco na Bahia, e outras aleivosias do gênero.

1 Comentário on “E o PMDB botou o mínimo para render…na CEF”

  1. #1 A festa da ditadura da corrupção « políticAética
    on Mar 25th, 2011 at 09:31

    [...] jornalista Sérgio Leo nos faz o favor de lembrar algumas informações noticiadas que apontam para o questionável [...]